Mentes Criativas são mais Propensas a Trapacear

Estudo mostra que pensadores criativos são mais propensos a agir desonestamente.

Pensadores criativos são mais propensos a trapacear do que aqueles que são menos criativos, talvez porque ser um pensador original aumenta a capacidade de uma pessoa racionalizar suas ações, de acordo com um novo estudo.

Pesquisadores da Universidade de Harvard e da Universidade Duke realizaram cinco experimentos para determinar se pessoas criativas iriam trapacear em situações onde poderiam justificar sua desonestidade. Os resultados aparecem on-line no Journal of Personality and Social Psychology.

"A maior criatividade ajuda os indivíduos a resolver tarefas difíceis em muitos domínios, mas as faíscas criativas podem levar os indivíduos a tomar rotas antiéticas na busca de soluções para problemas e tarefas", disse a pesquisadora Francesca Gino, da Harvard University.

A criatividade e a inteligência dos participantes foram testadas e foi-lhes dada uma pequena quantia de dinheiro. Em cada experiência, eles receberam tarefas ou testes onde poderiam receber mais dinheiro se aproveitassem as oportunidades de trapacear.

As chances de fazer algum tipo de trapaça foram propositadamente encenadas pelos pesquisadores, mas os participantes não sabiam disso.

O estudo descobriu que as pessoas mais criativas eram muito mais propensas a trapacear e que não havia vínculo entre inteligência e desonestidade. Por exemplo, pessoas mais inteligentes, mas menos criativas, não eram mais propensas a trapacear.

"Desonestidade e inovação são dois dos temas mais amplamente escrito na imprensa popular", escreveram os pesquisadores. Os resultados do artigo atual indicam que, na verdade, as pessoas que são criativas ou trabalham em ambientes que promovem o pensamento criativo podem ser as mais expostas ao risco. “Eles enfrentam mais dilemas éticos".